quinta-feira, abril 7

Limites

Uma tragédia aconteceu hoje. Não há registro de nada parecido no país anteriormente. Um psicopata armado com duas armas, mais de 30 tiros disparados em uma escola, 12 mortos, 18 feridos, todos com idades entre 12 e 14 anos.

A história em si já é suficientemente chocante. O que nos interessa é saber o que aconteceu, talvez refletir ou ouvir de algum especialista alguma provável causa para o ataque, se há algo que possamos fazer, onde as pessoas podem doar sangue para os feridos, e é isso. Mas, durante o dia inteiro, o que os informativos, jornais, blogs, noticiáris, estão nos dando é muito, muito mais do que isso. Veja vídeo contendo o desespero das vítmas na hora da tragédia. Chocante! Veja foto do atirador morto, logo após ser baleado. Acompanhe o desespero dos pais que perderam seus filhos. E mais dezenas de afirmações apressadas e levianas sobre o caráter do atirador, suas ligações religiosas, seus hábitos... todas as famílias expostas em um momento de dor infinita.

É uma prática que se repete exaustivamente em qualquer notícia que cause algum tipo de comoção. Uma tortura para os ouvintes/telespectadores/leitores. Um desrespeito às vítimas. Condenações antecipadas. Isso, senhoras e senhores, é exploração nojenta, vil, oportunista e cretina das tragédias humanas. É ultrapassar todos os limites da ética e da decência.

Em homenagem às vítimas de Realengo, não há foto ilustrando esse post, nem belas palavras de apelo fácil para que os leitores possam ir às lágrimas emocionadas. Que essas crianças descansem em paz. E que seus pais encontrem forças e motivação para continuarem vivendo a partir de agora.

6 comentários:

Saulo disse...

Eu fico revoltado com a abordagem da mídia para as tragédias públicas. Na época das chuvas na região serrana do Rio, a globo duplicou o tempo do jornal nacional para entrevistar as pessoas que perderam parentes e casas com a tragédia. Se eu fosse um dessas pessoas, eu mandaria o reporter para a pqp.

Juliana Rodrigues disse...

Realmente! No dia do jornalista, a cobertura dessa tragédia é motivo de vergonha para os profissionais da área. Eu não sou jornalista, mas tenho amigos que são e estão achando o fim a falta de ética dos colegas. Eu sentiria a mesma coisa no lugar deles...

lili cheveux de feu disse...

a imprensa parece vibrar com as tragédias, não parece? é repulsivo mesmo, rose.

Anônimo disse...

deus q me perdoe, mas tb acho q ficam felizes.

Mari Biddle disse...

Tudo tão triste. Tão irresponsável essa cobertura da midia. E olha que eu só assisti pelo Twitter. Imagino o que os jornais das 8 da noite noticiaram e mostraram.

Tudo muito triste.

Anônimo disse...

Tristeza profunda.
Procurei nem ver TV ontem, que dia terrível para todos nós.