segunda-feira, junho 4

Atitudes são melhores que leis

E o programa do Rafinha Bastos na Rede TV parece que é mesmo um retumbante fracasso. Duas semanas seguidas com péssimo Ibope, ninguém quer ver, ninguém se interessa.
Adoro. Detesto o sujeito, acho que é uma das figuras mais detestáveis que apareceram na mídia nos últimos tempos - mas detesto muito mais essa onda de regular tudo, proibir tudo, processar todo mundo por qualquer coisa. Se o sujeito é um canalha, a melhor resposta que pode receber é um traço na audiência mesmo. Vai sair do ar por falta de espectadores - ou então, vai continuar lá sem ser visto por ninguém. Muito melhor do que censurar, do que proibir, do que fazer uma lei pra não deixar isso, ou pra regular aquilo, em toda e qualquer situação, como se as relações sociais pudessem ser completamente monitoradas e controladas.

Que o Rafinha fique lá - no ostracismo - pelos próprios deméritos. Se é ruim, a gente não vê. E deveria ser assim pra tudo. Porque afinal de contas, nós não somos criancinhas que precisam de regrinhas pra nos dizer tudo o que a gente pode e o que não pode nessa vida. Nénão??

8 comentários:

Kinha disse...

Concordo com você!

Jujuba disse...

Égua, falou tudo Rose Foncée! Esse Rafinha só aparece quando ofende alguém. Babaca!

Anônimo disse...

Existem muitas "criancinhas" adultas, sim, infelizmente. Assim como existe muita gente psicopata que comete pedofilia, estupro, assassinato, etc. Por isso, as pessoas acham que precisa de lei pra tudo, pq não acham outra forma de controlar essas pessoas sem limites. O ideal seria a lei tratar só desses casos mais graves, pois quanto mais lei, mais o cidadão "direito" acaba tendo seus direitos tb restringidos. Como é o caso dessa lei recentemente aprovada no CN que diz que qualquer pessoa pode ter acesso a quanto os servidores publicos recebem de remuneração. Isso seria para evitar gratificações indevidas (e outras coisas) de pessoas corruptas, mas acaba prejudicando ao servidor honesto, que não tem o direito de privacidade quanto à sua remuneração (mais do que privacidade, é uma questão de segurança).

Anônimo disse...

continuando... O que falta é educação, disciplina, moral, bons costumes, etc. Infelizmente, onde tem mais pobreza a situação é pior ainda. Se tem gente rica sem princípios, imagine como é num lugar onde as pessoas não tem como suprir as necessidades mais básicas. Hoje de manha eu pensei sobre isso andando no Centro de Niteroi. Tem mts fezes humanas na rua, o cheiro é terrível, as pessoas que fazem isso na rua fazem de propósito, pois o que a sociedade tem dado a elas??? São esquecidos por todos, então ele tem raiva (além do mais, nem tem banheiro publico, mas podiam enterrar as fezes como os animais fazem). Nos paises gelados, se o governo não toma conta dos seus pobres, eles morrem de frio, o problema some. Nos paízes tropicais, se o governo não toma conta, o problema cresce. A população pobre continua crescendo, o calor, a pouca roupa, tudo isso contribui. Por isso, q não tenho fé q um dia o brasil serah um pais lindo, limpo com pessoas educadas.

Rose Foncée disse...

Anônimo, concordo com você que as leis devam ser para assuntos sérios, e que devem restringir o mínimo possível os direitos das pessoas de bem. Aliás, é exatamente sobre isso que trata o post...

Quanto ao restante, sou uma otimista... acho que o Brasil e qualquer país tropical tem condições, sim, de um dia chegar a ser um país limpo e com bons níveis de educação. O principal nós temos - um povo pacífico, gentil, e na grande maioria, bem intencionado. Não resolveremos tudo do dia pra noite, mas um dia conseguiremos - é só não tratarmos todo mundo feito bobos. Se forem dadas às pessoas boas condições para que elas exerçam o seu arbítrio, se forem tratadas como cidadãos portadores de direitos, a mudança pode ser muito mais veloz do que imaginamos...

Beijo, querido! Obrigada pelo comentário.

Anônimo disse...

Eu entendi seu post, Rose. Eu concordo que as leis devem ser mínimas, só acho que as pessoas não tem limites. O problema é esse. Como dar educação a essa gente?

lili cheveux de feu disse...

eu tô com o anônimo. não vejo luz no fim do túnel.
na china tu paga uma nota se decidir ter mais de um filho: diminui o crescimento demografico e restringe a classe mais pobre de sair procriando como se não houvesse amanhã. no brasil, quanto [mais pobre e sem condição de oferecer o mínimo necessário a um ser humano e] mais filhos você tem, mais dinheiro você ganha (olha o "brasil carinhoso" aí): cada vez mais gente para suprir com educação, saúde, etc... o brasil já não dá conta de suprir tudo isso, não dá conta de combater a corrupção para suprir tudo isso. aí fica toda essa gente com um sistema educacional de merda, formando uma geração cada vez mais merda que a outra...
e ninguém levanta a bunda do sofá. não faz nada para mudar nada, basta ver o que tem acontecido recentemente no mundo afora e o povo brasileiro [pacifista até demais] sentado no sofá, só vendo egito e companhia saindo pra rua, enquanto o brasil perde de TRÊS A ZERO para o méxico!

em tempo, NEYMAR SE VOCÊ ESTIVER ME LENDO, JOGUE DIREITO NO DIA 13, CAPETA!

Gi disse...

Rose,
Rafinha era bacana em A Liga!
E só. Nada mais.