segunda-feira, fevereiro 7

Last night I dreamt I went do Manderley again


A casa já está cheia. A rotina instalada, a lida em andamento, a mesa posta, flores nos vasos, cômodos ocupados, os papéis de cada um bem definidos. Como entrar? – pensa ela em frente à porta. Para onde olhar? Com quem falar primeiro? Em que cadeira sentar? O estranhamento inevitável, a comparação, o julgamento, e todos aqueles rostos, aquelas vozes tão familiares. Rostos e vozes familiares e sempre antes presentes, mas distantes, manifestados em outros planos - subitamente ali, do outro lado da porta. Sua mão toca a maçaneta. Risos, música, tilintar de copos e louças. A porta se abre fácil, silenciosamente, e o novo mundo se descortina à sua frente, imediatamente após a soleira. Todo aquele mundo que ela, de longe, há tanto tempo observava, agora está ali. A casa está aberta. Cessam as vozes, os risos, os ruídos, e eles se voltam para ela. Em silêncio ela tenta identificar as expressões em cada rosto. Surpresa, na maioria deles. Indagações. A soleira, o silêncio, os rostos. Ela, a sucessora, sabe que agora eles esperam que ela entre. E que não há mais como voltar. Mas, ainda assim, ela não consegue cruzar a soleira. Eles a olham. A porta não pode permanecer aberta. - Porque ela abriu se não pretende entrar? - é o que parecem pensar. Eles a olham e esperam que ela entre, ou que dê as costas e parta, para que o tempo possa voltar a correr. E assim, esmagada pelo silêncio e ansiosa por fazer parte, pelos encontros, pelos abraços, ela dá o passo que faltava, e mesmo sem saber o que fazer dali pra frente, cruza a soleira e fecha a porta atrás de si, fazendo retornar os risos, a música, o tilintar de copos e louças Na casa em que todos já estão, em que tudo parece seguir o seu curso, em que cada um cumpre o seu papel, ela também agora está. Sim, ela entrou.

14 comentários:

Blog da Jujuba disse...

Muito bem vinda nova Rose. Quem sou eu para dar boas vindas? Leitora assídua e fiel. Gostei muitíssimo do texto.

Marie Clarté d'Or disse...

Bem vinda Rose!!! Sinta-se em casa!!!

Adorei o texto!!!!!!

lili cheveux de feu disse...

ai, emocionei, gata... =:::)
seja muito benvinda!!!! a casa é toda sua.

Joelma Terto disse...

Onde vocês foram buscar essa nova Rose? Na Academia Brasileira de Letras? Humilhou, gata. A partir de agora, só papo cabeça. ;)

Adelaide disse...

ai, mais uma inteligentona??? me deixa ser buuuuuuura!!!

Beijos gata! Criada ao seu dispor

JMJr disse...

Eu acho que essa é a irmã gêmea perdida assumindo a identidade da outra...

Assunto misterioso a ser investigado.

XOXO

Saulo disse...

Geeente,

Entrou na mansão com estilo, hein?

Vou ali tomar um chá de inteligência para ver se consigo acompanhar esses posts.

O Mordomo disse...

Bienvenue, madame.

Est-ce qu'un thé aux fruits rouges accompagnés de croissant au fromage?

Excusez-moi.

Lili Cheveux de Feu disse...

esse mordomo é um oferecido...

Rose Foncée disse...

Quanto carinho e gentiliza da parte de vocês! Já estou me sentindo em casa...

Que gracinha o mordomo, gente! Onde você aprendeu esse francês maravilhoso, catito? Na Guiana??

JMJr disse...

Tá Rose...

Agora fala, vc é a Ruth ou a Raquel?

O Mordomo disse...

Mme Foncée: aprendi no google translator, mesmo.

Desculpe.

lili cheveux de feu disse...

nossa... fazia tempo que eu não ouvia "catito". rsrs.

Paulinha_SP disse...

Muito chique esta Rose, muito chique!
Bem-vinda!