sexta-feira, agosto 6

Pra quem tem o original, a xerox nada vale.

Não consigo ficar nem 2 segundos assistindo a Cláudia Raia. Já tentei. Ela aparece e o controle remoto funciona na mesma hora. E a pessoa psicanalizada ficou pensando, por que diabos me irrita tanto?

Essa semana, numa cena que me irritou além do limite (ela foi chamar a filha com um mega fone, depois de abandonar o amante no meio da rua e sair bem louca entrando no primeiro caminhão que passou), fez-se a luz. Tato Cabus disse as palavrinhas magicas:

- Thaísa, a sua mãe é um manual de psiquiatria.

Plim!!!! A Cláudia Raia está interpretando a minha mãe. E perfeitamente igual. Super intensa, super exagerada, super invasiva, super controladora, super ciumenta, super extrovertidfa, super over.

4 comentários:

Saulinho disse...

Já estou aqui pensando em como criar uma polêmica em cima desse seu post.

Acordei hoje com vontade de discutir.

Adelaide disse...

huahauhahahahahahaahu

Só podia, só podia... verei com outra perspectiva hoje!

Rose Foncée disse...

mas e não é?! é tudo de-mais. bebida demais, amor demais, ciúme demais, "cuidados" demais, ódio demais... tudo muito, MUITO, MUUUUUUITO intenso. é tudo lá em cima ou lá em baixo. sem meio termo. sem equilíbrio.

Rose Foncée disse...

ah, e sem falar na ansiedade! tem que ser tudo pra ontem, e do jeito que ela quer. presta atenção hoje e depois me diz se não é igual!